fbpx

Por que fazer a troca parcial de água?

A troca parcial consiste na retirada de uma porcentagem do volume total de água e na reposição dessa mesma porcentagem.

O aconselhável é que essa porcentagem seja no máximo de 30%, pois remover quantidades maiores que essa pode afetar a biologia e o equilíbrio do seu aquário.

Em casos específicos a troca pode ser maior, como por exemplo, durante o período de tratamento de doenças.

Importância das trocas parciais de água

Desde o primeiro momento em que você monta o seu aquário, se ouve sobre a necessidade de trocas parciais de água. Mas você sabe o porquê disso?

A TPA é realizada com o objetivo de remover restos de matéria orgânica e substâncias que afetam o desenvolvimento e saúde dos peixes quando acumuladas. Muitas vezes esse acúmulo não é perceptível e, por isso, você deve tomar cuidado e fazer das trocas parciais parte da sua rotina como aquarista.

Remoção de nitratos e fosfatos

Apesar de ser menos tóxico que a amônia e o nitrito, o nitrato é um composto que quando acumulado pode ser prejudicial aos peixes. Nesse caso, você poderá notar peixes ofegantes devido à formação de metahemoglobina, que é responsável por dificultar o transporte de oxigênio no sangue (semelhante ao que ocorre com os nitritos).

As plantas possuem um papel importante na absorção do nitrato, pois ele é um nutriente essencial para o seu desenvolvimento.

Mas não conte com isso!

Essa absorção pode ser insuficiente, pois depende de fatores como: densidade de plantas, quantidade de peixes e alimento fornecido.

Fosfatos são elementos presentes principalmente nas rações e também são essenciais para as plantas. No entanto, em excesso, criam um ambiente ideal para o desenvolvimento de algas, que podem ser eliminadas com o aumento da frequência de trocas parciais de água.

Remoção urgente de amônia e nitrito

Picos de amônia e nitrito são problemas que podem ocorrer com qualquer aquarista, porém não devem ser tratados como algo comum. Essa elevação indica um manejo inadequado do seu aquário ou uma deficiência na sua filtragem.

Em casos como esse, pode ser necessário realizar trocas parciais para reduzir os níveis de amônia e/ou nitrito, potencializar o seu sistema filtrante e realizar a aplicação de aceleradores biológicos para promover o desenvolvimento das bactérias nitrificantes.

Reposição de minerais e elementos traços

Embora poucos reconheçam essa importante função, a TPA é responsável por realizar a reposição de minerais e elementos traços que mantém a água adequada para os peixes.

O que isso significa?

Significa que a água que vem da sua torneira muitas vezes vem com nutrientes que são utilizados pelos próprios peixes ou que mantém o ambiente em equilíbrio. No entanto, ao serem absorvidos por eles, esses nutrientes se tornam escassos e é necessário fazer a sua reposição por meio das trocas parciais de água ou pela utilização de produtos específicos para esse fim.

Retirada de hormônios

Outra função da TPA que não é conhecida por muitos aquaristas é a retirada de hormônios que limitam o crescimento dos peixes.

Você provavelmente já ouviu aquela história de que os peixes crescem de acordo com o tamanho do aquário, não é mesmo?

Isso é mais ou menos verdade.

O que acontece é que os peixes liberam hormônios no ambiente responsáveis por limitar o seu crescimento. Ou seja, quanto menor o aquário, mais concentrados esses hormônios ficam na água e, consequentemente, menor o crescimento desses animais.

Tilápias em criação intensiva

Os kinguios são uma espécie muito conhecida pela sua elevada necessidade por TPAs, pois são extremamente afetados pelos efeitos desses hormônios. Já as tilápias são um exemplo de peixes que não sofrem tanto com esses efeitos e por isso engordam facilmente em criações intensivas.

Como fazer a troca parcial

Antes de mais nada você deve ter conhecimento dos valores de temperatura, pH, kH e gH do seu aquário para que possa ajustar os parâmetros da água que será adicionada. É extremamente importante que os valores sejam próximos para que não ocorra um o choque ambiental, também chamado de “Síndrome de Mortalidade Atrasada” (SMA), no qual os peixes podem morrer imediatamente ou desenvolver doenças com o passar dos dias.

Ao iniciar a sua TPA, é necessário que você prepare a água que será utilizada na reposição. Por isso, utilize condicionadores de água que neutralizam os efeitos tóxicos do cloro, cloraminas e metais pesados. Além disso, é nesse momento que você deverá corrigir os parâmetros da reposição.

Caso seu aquário possua pH, kH e gH baixos e a água da sua torneira venha com pH, kH e gH altos, você deverá fazer uso de produtos que reduzam esses valores – como acidificantes e tamponadores – antes da água ser substituída.

É importante que você desligue o filtro e o termostato ao iniciar o processo, pois os seus equipamentos podem ser danificados com a redução do nível da água.

Você irá remover aproximadamente 30% do volume da água, sempre priorizando a área próxima ao substrato para que sejam retirados restos de alimentos, fezes e plantas.

Nesse processo, não se deve retirar os peixes do ambiente, pois isso os estressa e derruba a sua imunidade.

Agora é o momento em que você utilizará a água devidamente tratada.

Ela deve ser reposta lentamente para que os organismos presentes não sintam as mudanças de forma brusca, pois apesar dos parâmetros serem similares, existem diversos outros fatores que não são idênticos.

Dica: você poderá utilizar um objeto (pote, saco, prato) para evitar que a água se choque com o substrato e levante poeira.

Frequência

No geral, recomendam que as trocas sejam feitas a cada 15 dias ou a cada 30 dias, mas esse número depende exclusivamente do resultado que você deseja e do aquário que mantém.

Por exemplo:

Aquários com kinguios se recomendam pelo menos 1 troca semanal e, em alguns casos, 2x por semana.

Em plantados, as TPAs podem ser a cada 15 dias ou a cada 30 dias dependendo da quantidade de plantas e peixes presentes no aquário.

Observe qual o melhor para você e sempre pense nos parâmetros que deseja com isso.

Cuidados com a troca parcial de água

É costume da maioria das pessoas realizar a limpeza tanto do display, quanto do filtro no mesmo dia. Porém, eu fujo completamente desse método.

Por incrível que pareça, fazer a troca parcial de água junto com a limpeza do filtro pode ser extremamente prejudicial para a biologia do aquário.

Por quê?

Pois ao limpar o filtro, você perde ainda mais bactérias do que perderia em uma TPA simples, já que grande parte delas ficam alojadas no sistema de filtragem.

O que eu recomendo é que você realize a limpeza do filtro em uma semana diferente da troca parcial de água. Dessa forma evitará perder mais biologia que o necessário e, consequentemente, evitará picos de amônia e nitrito.

Referências

KWONG, P et al. Somatostatin inhibition of growth hormone release in goldfish: possible targets of intracellular mechanisms of action. , [s. l.], 1997. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/9405121/. Acesso em: 3 set. 2020.

VERY, N. M; SHERIDAN, M. A. The Role of Somatostatins in the Regulation of Growth in Fish. , [s. l.], 2002. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1023/B:FISH.0000032727.75493.e8. Acesso em: 3 set. 2020.

TRUDEAU, V. L. et al. THE INHIBITORY EFFECTS OF g-AMINOBUTYRIC ACID (GABA) ON GROWTH HORMONE SECRETION IN THE GOLDFISH ARE MODULATED BY SEX STEROIDS. , [s. l.], 2000.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: